About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

domingo, 31 de outubro de 2010

Alguém te faz feliz?


“Após sair do banho, hidratou seu corpo, massageou-o, perfumou-se. Precisava estar linda para ele.”


Você também é assim? Precisa ter alguém para quem se sentir bela? Um motivo para fazer as unhas dos pés, para comprar uma roupa nova? Precisa de um incentivo externo?
Alguém te faz feliz?
Você usa vestido porque ele gosta? Ou continua deixando o cabelo curtinho porque sua namorada prefere assim?
Talvez seja a cultura ou a nossa carência que nos faz querer crer que é necessário ter alguém ao nosso lado para nos apreciar. Alguém por quem devemos adaptar nosso jeito de ser; que aprenderemos a gostar de coisas que antes detestávamos, tudo em nome de um suposto amor. Mas, será que tem que ser assim mesmo?
Ninguém pode nos fazer felizes. Isso é ilusão. Não se pode encontrar no outro aquilo que não encontramos em nós mesmos. Nada é externo, é dentro da gente que as coisas são. Se você acha que precisa de alguém para ser feliz, está preso a uma idéia que cedo ou tarde vai lhe trazer muita infelicidade. Você só precisa de você. Você, a pessoa mais importante do universo. Ninguém jamais saberá tão bem das suas mágoas, suas necessidades, carências quanto você mesmo. Por mais empatia ou amor que alguém lhe dispense, simplesmente esse alguém não poderá passar por certas coisas em seu lugar nem acabar com a sua dor. Acorde!
Pessoas estão à sua volta para cooperar com a sua felicidade, não para fazê-lo feliz. A sua satisfação só depende de você mesmo, então não coloque sua vida nas mãos dos outros. Relacionamentos acabam, alguns amigos vão embora, infelizmente as pessoas morrem... Mas ser feliz é pessoal e intransferível, como suas senhas de banco. Quando precisamos dos outros para nos valorizar, estamos valorizando os outros, e não a nós mesmos. Portanto, não se acomode na ilusão de que alguém te faz feliz, porque não faz. Foi você quem se instalou nessa idéia e se essa pessoa precisar ir embora, ela vai ir. São os caminhos que precisamos, não podemos controlar. A felicidade é um estado da alma que pertence a cada um que a vivencia. O que é ser feliz para uns pode não ser para outros. Só você pode saber o que é felicidade para você.
Viva o hoje e centre-se na sua felicidade. Porque você não precisa de ninguém para ser feliz e tampouco alguém precisa de você.

10 coisas que eu odeio em adolescentes

#1 Como eles são influenciáveis.
#2 Como conseguem amar e odiar a mesma pessoa, na mesma intensidade, no mesmo dia (garotas bipolares como eu também mantém esse comportamento, mas isso é mera coincidência)
#3 Aquelas modinhas sequeladas
#4 O fato de vestirem a camisa para fingir defender coisas sobre as quais nem sabem o que são
#5 Como conseguem ser cruéis com quem não se encaixa no grupo ou no padrão
#6 Andam em bandos, feito gazelas
#7 Acham pessoas de 27 anos velhas
#8 Eles sabem tudo
#9 Fazer chapinha é mais importante que estudar para a prova
#10 Para 95%, livros são artefatos de decoração. Celulares, câmeras digitais e o note são artigos de primeira necessidade até para quem não sabe escrever.

Um olhar

Quantas vezes por dia você olha as pessoas nos olhos?
Quanto tempo sustenta esse olhar?
Quantas coisas você diz olhando nos olhos?
Quantas vezes desvia e foge para dentro de si?
Quantas mentiras conseguiu contar encarando?
Quantas palavras poupou de serem ditas?
O que seus olhos dizem? A quantos permite ouvi-los?
Já deixou que lessem sua alma?
Quantas vezes por dia você olha as pessoas nos olhos?

É moda


É hiperativo, é bullying, é anoréxica, é superdotado, é colorido, é bulímica, é depressão, é incompreensão, é descolada, é poseiro, é autista, é disléxico,
No meu tempo não havia nada que umas boas varadas não resolvessem.
Aaaff, esse povinho que quer explicar tudo...

Bissexualidade


Gosto de rock. Gosto de música clássica. Gosto de música italiana.
Curto praia. Amo campo.
Como Negresco. Adoro Trakinas.
Bebo ice. Tolero cerveja.
Gostar de uma coisa não impede ter apreço por outra, totalmente contrária. Esse negócio de dizer: “eu sou roqueiro”, “sou pagodeiro”, é coisa de quem se limita. Se rotular para quê?
Vou com a cara do Elton John, fui ao show do Greenday. Tenho a liberdade de gostar de A sem desprezar B; posso cultivar vários gostos diferentes entre si e ter o discernimento de saber que uma coisa não desmerece a outra de forma alguma, pelo simples fato de serem opostas. Questão de identidade.

Pedido

Pedi a Deus hoje para tirar você da minha vida. Então, comecei a me perguntar se conseguiria viver sem você. Sim, consigo. Eu consigo assim, pela metade.
Se pensei em você na sua ausência? Todo dia.
Se senti sua falta? A cada minuto, em cada situação de alegria ou de tristeza.
Se procurei você em outro alguém? Nos meus amigos, nos meus amores, nos transeuntes, em mim mesmo.
Se encontrei? Pedacinhos. Um sorriso, um abraço, uma palavra, uma lágrima.
Te esquecer? Já tentei, continuo tentando, talvez um dia eu consiga te arrancar com todas as forças da minha cabeça.
Por que ainda tento? Não sei, poderia dizer que acredito em nós. Mas, no pé em que as coisas estão... Me imagine fazendo muita força para apagá-lo da minha vida. Assim como você me deletou.

Orgulho

Você obedece ao que o orgulho diz. Não faz o que realmente sente. Prefere dar ouvidos a ele e sufoca seus sentimentos verdadeiros. Você mente. Sabe que mente. Tem medo de ser verdadeiro. Esconde seu amor como se ele fosse uma fraqueza.
Já percebeu como está se machucando? E sabe como está fazendo isso? Obedecendo ao orgulho e não ao coração. É em nome dele que pune alguém que o ama e mais ainda a você mesmo por sentir que no fundo, bem no fundo do seu coração está o amor que sente, o medo de perder quem ama, a vontade de ser feliz como merece. Sentiu-se enganado e a imagem perfeita que fez em sua mente desmoronou, mas é hora do perdão. Só será feliz se perdoar.
A desilusão dói, mas ela é melhor do que qualquer mentira. Você descobriu que na Terra ninguém é perfeito, por mais que pareça ser. Na vida há sempre caminhos para escolher, mas, feita a escolha, teremos de arcar com as conseqüências.
Se existe amor, passe por cima do orgulho e volte. A vida só vale a pena quando vivida com felicidade. Muitas vezes, o orgulho nos impede de seguirmos o nosso coração. Temos vontade de tomar certas atitudes, mas o orgulho não permite, chamando-nos de tolos e fracos. É preciso muita coragem para deixar de lado a altivez e nos enfrentarmos a nós mesmos, porque o orgulho, sozinho, ocupa grande parte da nossa personalidade. No dia em que realmente aprendermos o real significado do amor, estaremos prontos para nos libertar do orgulho e de tantos outros sentimentos difíceis.
Faça o que manda o coração e tudo vai dar certo. O coração nunca nos engana. Somos nós que tentamos ludibriá-lo, mas só o que conseguimos é enganar a nós mesmos. A vida dá muitas voltas, mas pára sempre onde tem que parar.

Que sentimento é esse?


Uma doce saudade, vontade de chorar. Saudade do que? Saudade de quem?
Do que nunca vivi, contigo, que não sei quem é. Desconfio.
Oh, como eu te amo!
Já faz MUITO tempo...
Te amei, minha irmã...
Te amei, meu filho...
Te amei, meu amor...
Te amei, meu amigo...
Te amei, meu pai...
Te amei, meu professor...
É um carinho infinito, impossível descrever
Afeto que vem de muito
O mais sublime do meu ser
E tudo meu que for puro
E tudo meu que for verdadeiro
E tudo meu que for real
É um pedacinho de ti em mim
Porque contigo aprendi o mais forte
E o menos contaminado amor
O mais elevado, embora eu ainda
Seja criatura falha.
Um amor que até me confunde
Inevitavelmente me seduz
Te quero ao meu lado,
Doa-me tua luz...
Seja para mim apenas o que és...
Apenas exista, que me fazes feliz...

Um milhão


Um milhão não vai te fazer voltar a ser criança quando você sentir saudade.
Um milhão não vai trazer alguém querido que partiu de volta.
Um milhão não vai comprar o seu talento, as suas habilidades ou a sua personalidade.
Um milhão não compra amor.
Um milhão não traz as coisas boas outra vez.
Um milhão compra todos os livros, mas não a inteligência.
Um milhão compra a melhor cama, o melhor colchão e o melhor quarto, mas não o sono.
Um milhão compra objetos, viagens e bens, mas não o seu sorriso.
Um milhão não compra muita coisa, veja bem.
Então reflita e, se você tiver um, dê pra mim.
=D

África


Escória do mundo
Quem nos olha
Quem nos vê?
Quem pensa em nós?
Quem acode nossas crianças morrendo?
Quem assiste nossos jovens doentes?
Quem ora por nós?
África
Canto esquecido da vida
Ponto negro do planeta.

sábado, 30 de outubro de 2010

Breves linhas sobre religião



Flash: garotinhos, bombas amarradas aos corpos, explodindo a si mesmos e outros em nome de uma eternidade prometida no paraíso.
Flash: pregadores, vestidos em ternos de mil dólares, ditando o certo e o errado para crentes gritando “Aleluia”. Ninguém na multidão liga ou se incomoda em perguntar por que aquele homem ou mulher pode lhe dizer o que fazer.
Flash: líderes religiosos com túnicas e turbantes incitam seus seguidores ajoelhados a novas guerras santas a serem lutadas com ódio, revolta e desespero.
Flash: políticos bem vestidos e carismáticos, valorizando o orgulho nacionalista, dizem a seus compatriotas que a guerra e o sacrifício em nome da honra são justificáveis.
Flash: pastores discutem qual Jesus é melhor, qual Deus é mais forte, qual salvação é a certa e quem sabe interpretar a bíblia.
Flash, flash, flash... Incontáveis fotos pipocam pela consciência, cada uma com um retrato do preconceito, mostrando homens alimentando os medos de outros homens.
A religião saiu do controle. Cristãos fundamentalistas torcem e distorcem a bíblia. Algumas seitas judias usam suas escrituras para justificar a agressão contra seus vizinhos. Budistas lutam contra hindus e hindus contra muçulmanos, por templos sagrados. Alguns muçulmanos são ordenados a matarem a si mesmos e outros “por Deus”.
O mundo está recebendo uma mensagem: vocês foram longe demais. Dinheiro, posição social, poder e riqueza não significam nada se você esqueceu quem é.
Um cristão precisa saber que o Cristo mensageiro disse para amar ao próximo como a si mesmo. O resto é irrelevante.
A única coisa que um judeu precisa saber é que Moisés ensinou que havia só um Deus para todas as pessoas. O resto é irrelevante.
Os budistas precisam saber que Buda ensinou que devemos nos desprender de nosso orgulho, ego, cobiça e ambição material. O resto é irrelevante.
A única coisa que um muçulmano precisa saber é que a guerra santa que o profeta ensinou não é uma batalha com as outras crenças. É a conquista de nosso próprio mal, tentações e orgulho. O resto é irrelevante.
E a única coisa que um ateu precisa entender é que nós, não um deus distante, somos os responsáveis por nossas atitudes. O resto é irrelevante.
Não existe uma única verdade. Talvez o que exista, é uma verdade que convenha para a pessoa em determinado momento de sua vida. Quanto mais vamos avançando nos caminhos, percebendo que não é um homem de terno ou batina que vai nos dizer o que fazer; que não podemos comprar terrenos no céu nem ser absolvidos de nossos "pecados" senão pela própria consciência; mais perto da liberdade verdadeira estaremos. E, à medida que vão amadurecendo (espiritualmente), as pessoas param de acatar o que uma instituição está falando para pensar por si próprias, questionando, afinal, as próprias verdades. Isso, nenhum culto ensina, pois cada um terá sua própria maneira de descobrir (-se). Livre arbítrio e destino coexistem.
Espiritualidade não é religião e religião não é desculpa para matar e destruir.


sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Pace



Fome, miséria, crueldade
Chega dessa realidade
O mundo precisa é de paz
A violência já está demais!
Os povos têm que ser unidos
E isso já tem que começar
Reúna todos os seus amigos
E comece a protestar.
Faça uma campanha antidrogas;
Alie-se aos inimigos;
Converse mais e brigue menos;
Tente ajudar algum mendigo;
Não compre encrenca por besteiras;
Obedeça aos seus pais...
Isso pode parecer tão pouco
Talvez até algo de louco
Mas, na verdade já é um começo de paz

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

O barco dos desiludidos


Amiga diz:
*não adianta insistir no que não estamos preparados para enfrentar
*eu às vezes me sinto tão sozinha q faço qualquer coisa para ter atenção
*mas não há satisfação em relacionamentos vazios

Kelly diz:
*Isso

Amiga diz:
*as vezes é melhor ser feliz sozinho

Kelly diz:
*na verdade, SEMPRE

Amiga diz:
*do que incompleto ao lado de alguém

Kelly diz:
*pois aquilo q não encontramos em nós mesmos, é ilusão buscarmos nos outros

Amiga diz:
*eu digo às vezes, pq eu sou o tipo de pessoa q não consegue ser feliz sozinha
*talvez seja

Kelly diz:
*entendo...
*acho que isso vai partindo de cada um...
*eu cheguei a um ponto em que não me satisfaço com ilusões, com coisas que vão acabar
*eu acredito e eu SEI q existe uma coisa real
*algo verdadeiro e único
*todos somos únicos
*eu acredito em um só amor
*não essa coisa de buscar água em A, terra em B
*todo mundo pula de um relacionamento a outro...
*as pessoas são tão carentes
*querem bocas, palavras...
*eu tmb sou carente
*mas eu quero âmago...
*essência

Amiga diz:
*a minha necessidade é ter alguém com quem me importar
*para dedicar as coisas boas
*q me deixe acreditar em amor
*pq sinceramente
*cada vez eu acredito menos
*as pessoas parecem conchas vazias, às vezes
*eu me sinto uma
*e fico procurando algo especial nelas
*qualquer coisa
*para depois perceber q não vale a pena
*é um ciclo que eu nunca consigo interromper
*cada vez mais decepcionante e criativo
*me decepciono com pessoas q eu pensei serem minhas amigas
*meus pais

Kelly diz:
*Toca no rádio: "E agora eu ando correndo tanto
Procurando aquele novo lugar
Aquela festa
O que me resta
Encontrar alguém legal pra ficar”

*estamos todos num mesmo barco...
*muitas vezes, nos agarrando nas mesmas tábuas de salvação
*Isso são fases
*Um dia, descobriremos as verdades dentro de nós.

Nenhuma palavra



... diz quem eu sou. Nenhuma frase expressa o que estou sentindo. De tudo que sinto falta, embora minha vida seja tão abundante. Sou uma privilegiada, Deus sempre me deu muito. Mas, sou mimada, e as pequenas pedras no caminho muitas vezes tornaram-se obstáculos intransponíveis. De todas as pessoas que amei, felizmente eu tenho todas. Aquelas que eu não posso abraçar corpo a corpo, as posso em minha mente. Eu deveria ser feliz por isso. Mas, os últimos tempos têm me feito chorar mais do que eu gostaria. Afinal, não devemos nos alegrar com a felicidade dos nossos? Se sozinhos, nunca estamos. Se mortais, todos somos. Se nada é para sempre. Acho que descobri que sou humana. E isso é difícil nos primeiros tempos. Porém, agora que minha parte está quase pronta e sinto minha missão a passos do fim, eu não devo olhar pra trás. Tudo o que eu tinha, tenho. Todos a que amava, amo. Está tudo igual... Eu é que estou diferente...

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

You’re everything to me...



Você é tudo pra mim
Você é tudo o que eu quero
Seu beijo, seu carinho
E seu olhar sincero

Você é meu talismã
É meu sonho, paraíso
Estrela da manhã
Encontro no seu sorriso

É o ar que eu respiro
Meu brinquedo de menino
O desejo que eu aspiro
O meu destino

Nem o mar com seus mistérios
Conseguiria roubar
O gostinho tão gostoso
De te amar...

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Pessoas de verdade



Aparentemente, eu não sou uma pessoa de verdade. Segundo a lógica do orkut, pessoas de verdade são aquelas que mostram seu rosto em fotos na internet. Pessoas de verdade são as que contam seu nome e exibem sua foto para todo mundo.
Parece existir um consenso sobre as pessoas horríveis que usam perfis falsos ou escrevem anonimamente. As pessoas acreditam piamente que saberem se os olhos de quem estão conversando são castanhos, azuis ou verdes interfere completamente com a credibilidade do que está sendo escrito.
Sim, convenhamos, há muitos pedófilos e seres tão ou mais desprezíveis on line, mas a falta de anonimato no Orkut não os afeta. Eles já estão escondidos por outros meios. Então, junta-se a estupidez com a vontade de aparecer. Estupidez de quem acha que um perfil de orkut com foto e nome tem alguma vantagem no quesito honestidade. E vontade de aparecer dos valorosos defensores da moral e dos bons costumes da classe média e alta. As pessoas têm de ser ouvidas com base em suas idéias! Tem muito perfil fake que é muito mais sincero e honesto do que muito perfil de pessoa com foto verdadeira. Não é a foto ou o nome que se põe que determina a sinceridade da pessoa. Ninguém conseguiria mentir 24hs, no orkut ou em qualquer lugar da rede. Uma hora a máscara cairia!
Pessoalmente, não concordo com pessoas que usam orkut para vender drogas, para prostituição e outros fins questionáveis, mas o que realmente dificulta diversão e conversas significativas não são as postagens anônimas em comunidades ou perfis fakes, mas sim essa massa de gente burra, vazia, que só escreve merda. E viva a inclusão digital! Orkut há muito virou um reduto de imbecilóides e adolescentes bobinhos que não tem o que fazer!
Anonimato gera sinceridade, não é essa grande sacanagem que todos pintam. Essa paranóia de gente pequena que faz questão de “mostrar a cara” é contraditória; então, é mais sincero quem coloca uma foto real? Ou será que depois de colocada a foto real, muito pelo contrário, surge a necessidade de ser mais socialmente aceito ao saber que todos de seu dia a dia estarão vendo e julgando, e por isso a sinceridade começa a capengar?
Cansei de ouvir pessoas cheias de si, dizendo que eram verdadeiras só porque colocavam as fotos da facul, do shopis, da dor de barriga das 5! Ah, VSF!
O orkut, assim como outras redes, já foram bons lugares e hoje em dia, perderam o foco inicial. Nesse sentido, os amigos convencionais não conseguem entender que amizades sinceras podem brotar sim, mesmo que sejam entre fakes e que jamais passem da barreira do msn. A identidade de quem escreve pode ser secundária diante das intenções e atitudes que ela expressa através desse fake. Essência é tudo.
Infelizmente, serão necessários muitos séculos para que as pessoas consigam botar o ego de lado e não tomar toda e qualquer opinião como uma afronta ao seu umbigo. E entender que as pessoas podem ser mais sinceras até que elas, mesmo sem mostrar o rosto.

O pra sempre acabou


Ou talvez, tenha apenas mudado de significado. Uma vez, pra sempre significava “pra sempre” mesmo. Era dito raras vezes, para pessoas especiais, quando se tinha certeza. Atualmente, um pra sempre não é garantia de nada. Pessoas sensatas não os usam mais. São usados por moleques coloridos, moçoilas bobas, depoimentos, logo após conhecer uma pessoa. São usados pelo efeito de paixões lancinantes, com prazo de validade marcado, como enfeite de oralidade, complemento de juras falsas. Tendo de entrada um “eu te amo” tornam-se mais pérfidos ainda. Te amo na atualidade é bom dia, é ‘foi um prazer conhecê-lo’. É uma contradição, pois só se sabe da veracidade de um pra sempre à medida que o tempo vai passando, à medida que novas coisas vão surgindo mas aquela... aquela é pra sempre.
Teste prático? Às vezes, parece mesmo que a gente se esqueceu, deixou pra lá... Mas, se ao lembrar, sentir tudo de novo e tiver que interromper para não reviver, tenha certeza: é pra sempre!
Só que tem um detalhe: isso também acontece com mágoas, não só com amor e carinho. Nesse caso, é aquela velha história: quando há situações mal resolvidas em nossos caminhos, acabaremos presos a elas até que se resolvam. Mas, com certeza, isso não é pra sempre.

Descascando o orkut



Ao invés de “Quem sou eu” deveria haver a questão: “Como me sinto hoje”, uma vez que esse espaço tornou-se a maneira anônima mais célebre de fingir pra si mesmo que alguém se importa. Todo mundo é feliz e tem uma vida perfeita no orkut. E os depoimentos não desmentem: todo mundo presta! Pessoas que se conheceram ontem, falam umas das outras como velhos conhecidos. Todo mundo é amado, querido, amigo e conhece a felicidade... Pessoas que passavam se batendo por você, lhe adicionam e mandam testemonials profundos (detalhe: copiados) com a frase “Te amo muitooo”. Mais banal que ‘te amo’, só as fotografias. Uma vez, fotografar era algo especial, de ocasião. Será que aquelas pessoas que tem 3000 fotos no álbum acreditam mesmo que alguém vai olhar uma por uma??
E a frescura de encher de cadeados? Agora, até os recados são sigilosos. Isso é ridículo! Quem quer privacidade, que vá escrever um diário, que é muito mais sincero. Pelo menos não ia ser falso consigo mesmo [sic].
A justificativa que todo mundo dá é a de reencontrar amigos de escola, parentes, participar de comunidades. Mas, na boa, para amigos que valem a pena realmente, há outras formas de manter contato, como telefone, e-mail (uma ferramenta maravilhosa e tão ignorada; é secreto, ninguém sabe o que você recebe ou envia), visitas, torpedos. Sim, pois se são amigos, você não vai ficar fazendo um joguinho de falsidade em um site que todos podem ver, dizendo que são inseparáveis, que sem eles não vive, mas sequer tirando o telefone do gancho para saber como estão. De hipocrisia, basta! Parente? Não se escolhe, é carma, não entendo pra que querer manter contato com esse tipinho de gente? Já não basta o embuste das reuniões familiares?
Tem pessoas que vivem mais em orkut que em sua realidade, cuidando da vida alheia, deixando que cuidem da sua. Não possuem orkut, o orkut as possui.
E é tão lamentável que essa moçada que diz que ama como diz que pega, jamais tenha dito “Eu te amo” sequer aos seus pais...
Ao invés de “site de relacionamentos”, pessoalmente noto, trata-se de uma ferramenta para destruir relacionamentos... O que não falta é gentinha fútil, medíocre, atacando a namorada do cara que está a fim, bisbilhotando vida do ficante, amigo, vizinho... É impossível não despertar ciúme ou raiva de coisas que, outrora, jamais chegariam a perturbar uma relação; tudo é tão exposto, tão acessível; as pessoas insistem em provar a não-sei-quem que aquilo é real, mesmo só acontecendo na cabeça delas. Você nunca sabe se o que lê é legítimo, se é mútuo, se é apenas devaneio de quem está enviando... E, por que, diabos, o seu namorado ACEITA as falas doces e vadias daquelas amiguinhas dele... As pessoas simplesmente não se importam com os sentimentos das outras e nem respeitam a si mesmas, falando de coisas profundas de forma superficial, fingindo a si que ilusões são fatos... Num dia se ama um, no outro, se ama outro, tudo assim, caindo depressa demais no esquecimento, banal, virando com rapidez as páginas, “aproveitando” tudo o que pode... O ser humano é mesmo um bicho irracional e doente, como o turco afrescalhado que inventou essa porcaria.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

No nosso tempo, tudo era mais legal...


Amigos, brincadeiras ao ar livre e muita lama. Era assim que até meados dos anos 90, as crianças passavam suas tardes e, quase sempre, parte da noite.
Na última década, com o aumento crescente da tecnologia e as mudanças radicais em âmbito social, a infância foi relegada a um período pseudo-adulto, com crianças cada vez mais atarefadas, comprometidas e com responsabilidades de gente grande. Hoje, elas administram seu próprio dinheiro, escolhem suas roupas e ingressam no mundo adolescente cada vez mais cedo. Meninas de 11 anos, que outrora brincavam de boneca, competem em festas quem pega mais meninos, que por sua vez, não conheceram os carrinhos de rolimã, pique-pega, esconde-esconde ou mesmo os livros de aventura que encantavam sua geração antecessora.
O problema desse salto não reside na falta das brincadeiras e situações que caracterizavam a verdadeira infância, mas sim na precocidade da introdução infantil em um mundo que ainda não têm preparo para suportar. Assim como as crianças, os jovens atualmente são muito mais pressionados e forçados a assumir responsabilidades que até pouco mais de dez anos atrás, não tinham. A vida sexual, a inclusão no mercado de trabalho e a escolha por uma profissão substituem o tempo que antes era ocupado pelo prazer do lúdico e onde a imaginação imperava. Apesar de todas as facilidades e benefícios da vida moderna, a tecnologia trouxe com ela o demérito de não incentivar o raciocínio, a descoberta, a curiosidade. A exploração é virtual, a sagacidade não é instigada. Amizades são construídas através da tela de computador e relacionamentos frívolos e superficiais são incentivados.
No que concerne à idade infantil, os tempos modernos ficam devendo muito em termos de ludicidade, falta de compromisso e ao verdadeiro sentido da palavra “brincar”.

Comerciais de Natal



Faltam poucos dias para começarem a veicular os tão famosos comerciais de Natal. Geralmente, eles nos transportam para um lugar melhor, onde todos são felizes e têm um Feliz Natal. As crianças são bem vestidas, belas; a árvore da sala é enorme, cheia de presentes; a família é grande e unida, não existe aquela tia falsa, a cunhada invejosa nem o tio miserável; não existe aquele irmão mais rico que sempre quer exibir o carro novo para o resto da família nem o adolescente de 17 que passou em medicina e ganhou um Honda Civic sem sequer ter tirado carta. O peru é suculento, a mesa é repleta de todas as guloseimas da Sadia, da Nestlé, da Lacta e Coca-Cola, parece que no Natal ninguém gosta de Pepsi.
As mulheres reúnem-se para cozinhar, e, cara: elas são lindas! São magras, todas com menos de 30 anos e felizes no casamento; os homens – jovens, bem-sucedidos e bem-humorados – se organizam para fazer o churras e tomar cerveja. Todo mundo ganha o que pediu ao Papai Noel, todo mundo viaja para onde deseja, todo mundo é feliz, ninguém briga porque tem que lavar a louça. São comerciais que reforçam uma imagem esterotipada inexistente, lembrando a cada iludido mortal que o assiste como ele é infeliz.
Não que no Natal não exista mais união, confraternização, em verdade, é sim, uma data que tem seu espírito focado na família, na esperança e na celebração. Mas, sempre tem uma série de contratempos, isso é fato: nada é perfeito. Você vai descer a serra para o litoral e o pneu vai furar; vai chegar à hora da ceia e alguém esqueceu de descongelar o peru; haviam planejado viajar cedo, mas o vôo atrasou. Tudo isso é natural. E talvez, seja um pouco do que dê a verdadeira luz do Natal, além das luzinhas pisca-pisca.  

Sobriedade


Assim, somos ensinados
Devemos ter instantes de felicidade
Para muitos momentos de dor.
Entretanto, e se
Contrariasse eu todas as regras do mundo
O que haveria de suceder?
E que me dizem as regras do mundo?
Ensinam-me rigidez, quando busco ser flexível
Exemplificam-me egoísmo, quando tento pensar em meus irmãos
Demonstram-me desafeto, quando preciso de carinho
Reportam-me desamparo, quando minhalma anseia por segurança
Vejo crianças perdidas
Vejo animais feridos
Vejo as pessoas desprezarem sua arte em detrimento de seu dinheiro
Vejo a roda da fortuna capitalista girando
Sempre na mesma direção
E vejo-me em meio a esse turbilhão
Mais uma das crianças perdidas em um deserto deflagrado
Não há paz, não há voz, não há oásis
Há guerras, mortes e destruição.
E as vozes que poderiam ser ouvidas se calam.
E os ouvidos que deveriam se atentar fazem-se moucos.
E há milhares fazendo o que não gostam.
E há milhares que gostam e não fazem.
E centenas de caminhos hão, mas poucos olhos que os vêem.
E dezenas de destinos se fazem, mas poucos que se realizam.
E cada dia precioso encerra-se em sua mediocridade
Ao mesmo tempo que, novos dias são sonhados, melhores e mais imperturbáveis.
O que está vindo está indo embora e o que foi embora sequer teve pressentida a presença.
E muitos falam de oportunidades, mas, por vezes, são os mesmos que se despedem de seus dias sem brilho
E outros dão brilho a seus dias e fazem de cada minuto uma busca que cessa.
E cessa porque se completa, e se se completa, é que nada lhe falta.
E se nada lhe falta, não é que não tenha dores, mas que soube admoestá-las ao seu discernimento.
E se assim o fez, rompeu o padrão que lhe foi ensinado, para viver um tanto mais sóbrio.

Incerteza



Quanto tempo passarei
Nessa doce incerteza
De não ter o que eu amo
E não amar o que eu tenho.
Não desprezo minhas dádivas
Nem exijo mais que deva
Eu só penso que mereça
Mais de acordo com meus sonhos.
Eu amo alguns lugares
Eu sonho com um vivente
Eu desejo eternamente
Em seus braços repousar
Eu preciso de um sorriso
Eu busco o meu lugar
O meu próprio paraíso
Que é onde eu mereço estar.

domingo, 24 de outubro de 2010

Querido diário


Querido diário...

Você lembra daquela garotinha que ainda ontem tinha sonhos? Sim, garotinha. Sim, tinha sonhos. Ela imaginava-se linda, em um jardim florido, um dia ensolarado e flores brancas por toda a parte. Um vestido simples, enfeite no cabelo. Sorrisos, raios de sol. Ela imaginava a publicação de seu primeiro livro. Sua formatura. Seu casamento. O nascimento de seu primeiro filho.
Querido diário, onde estão meus sonhos?
Ter-se-á sido-me roubado o direito de ser feliz?
Oh, não! Na lei dos homens nada diz com referência a tal direito. Então não o tenho??
Querido diário, não sonho mais com a publicação de um livro, nem estudar e ser uma... publicitária? Jornalista? Advogada? Não sei. Estava num mar de ilusões e meus sonhos morreram afogados. Não consigo, simplesmente, ter qualquer motivação para viver. Olhar o horizonte. Que horizonte? O sol não voltou a nascer para mim.
Querido diário, meu travesseiro tem sido o único amigo fiel, a enxugar as lágrimas noites seguidas. Para com meu ursinho fui ingrata, mandei-o embora, então fiquei órfã.
Querido diário, todas as noites quando eu fecho os olhos eu não desejo mais acordar. Um anjo triste pousa ao meu lado e segura a minha mão, e, acredite, ele até tenta ser legal comigo:
- Menina inteligente, por que choras?
- Menina escritora, por que sofres?
Oh, anjo triste! Essa inteligência é vista desde os quatro anos, quando sozinha, aprendi a ler. Oh, anjo triste! Dê-me outro rótulo. A menina inteligente quer sentir-se bonita, embora já tenha ganho concursos de rainha na escola. A menina inteligente quer percebam ser ela uma pessoa sensível, que gosta de pássaros, de músicas tristes, de animais. A menina escritora é também filha, irmã, amiga, prima. Que papéis difíceis, oh Deus!! A menina gênio também quer sentir-se amada, quer amar, quer ver a vida de frente, quer seus sonhos de volta. Será possível ser um ser humano quantas vezes condenado pelo seu erro? A própria prisão de sua consciência não lhe bastará?
O que se ama, perde. Mas, não se perde o que não se tem.
Foi apenas um sonho bonito, menina inteligente. Sonho! Essa utopia que perdeu-se em suas desilusões. Você errou, menina gênio. Pague o preço. Você falhou, garota escritora. Assuma, assine. O passado jamais volta. Aquele dia de sol, vestido branco e flores ficou como uma lembrança bonita, ou um "sonho" fugidio. Seu maior erro não foi acreditar nas pessoas. Foi acreditar no amor.