About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Eu te amo

Ao lado dos que temem dizer ”eu te amo” há também uma corrente totalmente oposta, que é a dos que BANALIZAM essa belíssima declaração. "Eu te amo" em orkut e msn é sinônimo de "adorei te conhecer", "oi", "bom dia", "gosto muito de você". Sentir-se diferente à presença de alguém não significa que a ama, mas que está começando a apreciá-la; amar é demais denso e profundo e não acontece de um momento para outro. Vejo pessoas que mal se conhecem dizerem que amam com tanto entusiasmo, mas sequer refletiram tais palavras nos olhos dos próprios pais ou pessoas que convivem há anos... Há de se pensar, antes, na inconseqüência de dizer tal coisa para agradar e acabar iludindo o coração da outra pessoa; há de ser responsável pelo que verdadeiramente sente e expressa através de seus gestos e palavras.
Particularmente, creio que na vida, amamos uma só vez. Entretanto, existe diversas formas de amor e, pela pobreza de nossa linguagem humana, não temos outras palavras para manifestá-las por quem estamos sentindo, tornando-se o "eu te amo" um válido instrumento. Pessoas sensatas, por vezes, não acreditam e não dizem "eu te amo". Quando o amor é verdadeiro, ele pode ser lido nos olhos... E, já que se tornaram tão comuns as três palavrinhas especiais, não deixemos de dizê-las, mas principalmente demonstrá-las, todas as oportunidades que tivermos! Afinal, como nós, nossos sentimentos mudam, mas enquanto estão despertos, está valendo!!

3 comentários :

Chico2010 disse...

Olha...e rendeu uma postagem das boas o comentário....aproveito para responder o comentário por aqui!! hehehe

Mais uma boa sacada sua essa questão da banalização do "Eu te amo". Conforme comentei no meu blog, as pessoas nem sequer sabem o que estão sentindo...e atualmente parece muito fácil sair dizendo aos quatro ventos que se ama alguém.

Mas sou da moda antiga, do tempo em que só se confessava um amor quando realmente já não havia mais como esconder o sentimento verdadeiro brotado dentro de si. Sou do tempo que as pessoas temiam por isso. Do tempo das cartas escritas a mão tinham um valor inestimável. Enfim, sou do tempo em que tinha muito valor um "eu te amo"! Hoje isso funciona para poucos. Talvez eu esteja ainda perdido nesse sentido até hoje juntamente por ter parado no tempo...e sigo patinando. Todas as vezes até hoje que urgiu um sentimento como esse, não houve correspondência. E agora, será que o amor deve ser obra do destino?

Isso me ilunina a postar também, mas não farei isso hoje pra não ficar deprimido...hahaha

bjoo

Kelly Phoenix disse...

Bem, também sou desse "tempo antigo" hahaah... Tenho até uma caixinha de cartas, das antigas!! Amor e destino... Faz sentido, sim. Fazemos nosso destino na medida de nossas possibilidades, mas há uma parcela de nossa vida sobre a qual não temos controle. Vou esperar para ler seu post.
Vlw ^^

Lia disse...

Isso aí Kelly!!!
Eu, particularmente, não deixo de dizer "Eu te amo" por quem realmente tenho esse apreço. Confesso que já disse mais do que já ouvi, mas isso não importa, o que importa é que sou mais feliz enquanto partilho meu sentimento.
Tenho um poema com esse título. Vou te mandar!
Beijão

Postar um comentário