About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Que diabos é o amor?


       Acredito que o amor É  a mais bela das dádivas, mas que por inexperiência (espiritual) é confundido com os mais vis sentimentos, tais como posse, ciúmes, egoísmo, paixão - pois mesmo a ferocidade de uma paixão não condiz com a beatitude do amor. Também não sei se concordo que uma paixão pode virar amor ou que ela é o primeiro passo para este; faz parte, sim, mas ao mesmo tempo, o denigre, o rebaixa, o humilha. E amor é o que está em falta em nosso planeta; as pessoas que dizem amar, não estão com nada, quem ama realmente, o faz em silêncio. Para que o artifício das palavras, quando nada poderá ser dito? Sim, pois nossa inteligência constrói 1001 conceitos; quantas vezes ficamos arrasados após ler alguma coisa sobre o amor e constatar tristemente: "Não era amor..." Ora, mas quem vai poder afirmar isso? Mesmo nosso coração é suscetível de enganos. Que cientista pretensioso de araque vai poder dizer que por causa da endorfina em seu cérebro, você ficou caído de amores ou que a evolução da espécie manda que as donzelas de rosto infantil e os machos de estrutura superior sejam os queridinhos do sexo oposto? Gosto de neurociências, metafísica, física quântica e biologia, mas, para mim, quando a ciência entra a falar de coisas que não sabe, tudo baseado em um trabalho cerebral, entra no que eles dizem que a psicologia e o "sobrenatural" fazem: um punhado de hipóteses que não podem ser provadas. E eu não posso aceitar isso, você pode? 
E não, o amor não exigirá sacrifícios, pois o verdadeiro amor não cobra nada em troca, então o sacrifício é mais um conceito que criamos. Não sofremos por amar; sofremos pelo nosso egoísmo em querer a pessoa para nós; sofremos por nossa pretensão em achar que ela não estará bem senão sob nossos cuidados; sofremos porque somos orgulhosos demais para perder. Quando amamos uma pessoa e a sabemos nos braços de outrem, nos roemos por dentro POR NÓS MESMOS, e não por ela. Porque se pensássemos nela, por mais errada que sua escolha possa ser ou nos parecer, nos alegraríamos pela sua felicidade, mas não fazemos isso.  

2 comentários :

Anônimo disse...

seu blog é maravilhosoooooooo!!! parabéns!

Kelly Phoenix disse...

Obrigada :D

Postar um comentário