About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

sábado, 21 de maio de 2011

Não apresse o rio


Você nasceu: que esforço fez para nascer? Você cresce: que esforço terá feito para crescer? Você respira: que esforço faz para respirar? TUDO SE MOVE POR CONTA PRÓPRIA, POR QUE ENTÃO PREOCUPAR-SE? Deixe a vida fluir por si mesma e você estará indo junto. Acontece, não depende de você. Se há tempos está tentando algo e não consegue, pare de forçar. Talvez não seja seu. Talvez não seja agora. Um livro, um projeto, um trabalho, uma obra. Há coisas que não são nossas, exatamente como uma criança nascendo de sua mãe. A mãe não pode criar a criança, ela é simplesmente uma passagem.
Não lute nem tente ir contra a corrente, nem mesmo tente nadar, simplesmente flutue com o rio e deixe que o leve para aonde quiser levar. As coisas acontecem por si mesmas e tudo o que é valioso só se torna possível num clima de liberdade. Cada ato é em si mesmo a recompensa, caso contrário, não o faça. A mensagem é essa: NÃO FORCE! Não tente apressar o rio. Ele tem seu próprio fluxo e é da natureza que se mova sem esforço.

3 comentários :

di Andrada disse...

Oi, gostei do seu blog. Bonita essa mensagem, mas não sei se concordo TOTALMENTE com ela =) A liberdade implica em escolhas que demandam esforços, e às vezes temos de "ir contra a maré". Grandes e importantes feitos nasceram desse "interferir". Se fôssemos apenas "let it go" não sei se teríamos saído da pré-história. Mas como eu disse, concordo com a mensagem, em alguns aspectos da vida.
Abraço, moça! Dá uma visitada no meu blog, se quiser!

Kelly Phoenix disse...

Olá, Di Andrada! Sim, concordo com sua posição, digamos. No sentido de que essa mensagem se aplica ao geral, mas não a casos específicos. Ou, ao contrário, dependendo da pessoa e ou do momento. Também não sou fatalista, a ideia não é dizer que não precisamos lutar pelo que quer que seja, que o destino está traçado. Mas, sim, que muitas preocupações que temos em nossa vida ou mesmo situações são forçadas ou dispensáveis, que muitas vezes lutamos com a nossa natureza ou fugimos da verdade. Por exemplo, uma pessoa que força um talento que não tem. Ou alguém que insiste em um relacionamento ou em dizer que "ama" alguém que nem olha para si... Enfim, pequenos exemplos cotidianos. Fluir com o rio seria aceitar aquilo que não podemos mudar (pelo menos por hora), não se forçar a ser o que não é, não dispender forças estéreis. =)
Eu já fui ao seu blog, mas pode deixar que irei mais vezes! Muito obrigada pela visita, grande abraço, volte quando quiser!

O Mago Castanho disse...

Concordo ^^

Postar um comentário