About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Não era amor



Amor NÃO É pura fixação, puro apego, paixão desenfreada sem o mínimo de equilíbrio emocional. Não confunda apego, dependência e carência afetiva com amor. Embora o mundo tenha evoluído em várias áreas, ainda somos analfabetos no quesito amor. Muitas pessoas têm uma vida afetiva tosca, pobre, cheia de problemas. Adolescentes aprendem a “pegar sem se apegar”, construindo uma vida de miséria emocional. Poucos são os que se sentem felizes, de fato, ao lado daquele (a) que afirmam amar. Muitas pessoas são dependentes emocionais. Elas acreditam que aquele que escolheram para amar será a sua tábua de salvação. Entregam o seu poder, a sua vontade ao outro. Muitos não têm nem dignidade. Preferem viver de migalhas afetivas e sofrer a largar a outra pessoa para ser feliz.
Não era amor, era EGOÍSMO. Se não podia libertar o ser amado, mesmo que fosse para ele (a) ser feliz ao lado de outra pessoa.
Não era amor, era PAIXÃO. Se percebeu o ridículo de seus atos apaixonados quando a ilusão projetiva desapareceu e só admirava no outro aquilo que recalcava em si.
Não era amor, era APEGO. Se esperava do outro exatamente aquilo que não se dava, sem jamais admitir isso para si mesmo.
Não era amor, era DEPENDÊNCIA. Se se anulou completamente em nome deste sentimento e acabou abandonado (a). Se investiu tudo no outro, acreditando que seria correspondido e acabou apenas reclamando do egoísmo alheio.
Não era amor, era IDEALIZAÇÃO. Se sonhou com um amor perfeito e pretendeu encaixar o ser amado nesse modelo, acabando por descobrir que cada um é como é e não temos o poder de mudar a ninguém.
Não era amor, era POSSE. Se o ciúme tomava conta do dia-a-dia, impedindo de ver o afeto que lhe dedicava, só fazendo ver as atenções que seu namorado (a) dispensava às outras pessoas caras na vida dele (a).
E, afinal, amar é reconhecer que nossas almas, são, na verdade, uma só. 

0 comentários :

Postar um comentário