About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Os pontos ligam você ao futuro - Sobre destino


Algumas coisas parecem insignificantes na vida da gente. Os dias passam loucamente, os fatos vão e vêm e as coisas parecem se perder no tempo. Será?
O psicanalista suíço Carl Gustav Jung estudou um fenômeno interessante chamado sincronicidade. Trata-se, em palavras simples, de coincidências significativas. Quantas vezes você se fez uma pergunta mentalmente e começou a tocar uma música cuja letra lhe parecia responder? Quantas vezes você pensou em alguém que não via há um tempo e em seguida encontrou essa pessoa? Coincidência... Hum... Acho que não...
Alguns anos atrás participei de um processo seletivo para trabalhar no marketing de uma empresa. Fiz um teste de alguns dias e fui dispensada, porque a coordenação imediata era um tanto exigente e eu sempre fui meio desligada. Minha tia conseguiu emprego nessa firma pouco tempo depois e soube que eu havia feito teste lá. Disse-me: “Acho que você não se daria bem naquela vaga, tem muita personalidade. Eles pegaram uma menina bem songa monga.” Eu dei risada, não liguei e realmente pensei que ela estava apenas tentando me animar. Tempos depois (o mundo dá voltas...), volto a ser chamada na empresa, dessa vez, para realização de um estágio na mesma área. Não tenho nada a perder, aceito. E... conheço a garota que contrataram no tal processo seletivo, constatando... que minha tia tinha razão. Veja bem, com essa história não estou dizendo que não sou songa monga e a guria era. O que quero mostrar é que alguém de quem ouvi falar e não liguei importância, depois entrou na minha vida. E isso aconteceu outras vezes também, de maneira muito mais significativa.
Por vezes, ignoramos algo que alguém nos conta, por vezes não queremos fazer determinada viagem, ir a certa festa, mas depois a gente entende o porquê de ter feito. É como se algumas vezes fôssemos levados a fazer coisas sobre as quais não sabemos exatamente o porquê de as estar fazendo, mas alguma coisa nos leva a fazê-las. São como verdades internas muito grandes que não podemos ignorar. Podemos chamar de acaso ou coincidência, mas prefiro acreditar em confiança em Deus. E isso me leva a refletir também sobre destino...

des.ti.no s.m. 1. Poder supremo que supostamente predetermina o curso dos acontecimentos. 2. Aplicação, finalidade, prefixada ou reservada a alguma coisa. 3. Ponto final, meta a que alguém ou algo se dirige ou é enviado. 4. Sina; fatalidade; sorte; fado.

É difícil acreditar em destino. No sentido de uma coisa certa, fatal e imutável. Mas, podemos ver as coisas sob outro ângulo: imagine que você decidiu viajar para São Paulo. Você definiu o lugar aonde quer chegar, o seu destino. O que você precisa fazer a partir disso é decidir como pretende ir: de carro, de ônibus ou de avião? Em cada escolha, você abrirá mão de algumas coisas que a outra escolha poderia te oferecer. Em cada escolha o tempo que você levará para chegar, as situações pelas quais passará e até as pessoas que irá encontrar serão diferentes. Mas, seu destino continuará sendo São Paulo. Nesse caso, será que temos realmente toda a liberdade que nossa prepotência faz pensar que temos, de decidir sobre os eventos de nossa vida, ou isso é apenas uma ilusão humana para fingirmos a nós mesmos que o que reina é o caos? Quem já viu os filmes Dèjavù e Efeito Borboleta sabe do que estou falando. Se temos tanto autocontrole e poder de escolha, por que não podemos decidir por quem nos apaixonar, as pessoas que entrarão em nossa vida, quem nos marcará para sempre e quais sequer serão lembradas?
Uma amiga mais velha me revelou que teve um sonho muito significativo com seu primeiro namorado quando ainda estavam juntos. No sonho, ele passava por ela com uma outra garota, a olhava insistentemente, mas não ia ter com ela. Dois dias depois, ele a procurou, disse que um antigo lancezinho tinha engravidado e ele resolvera por assumir a criança, mas que gostava era dela. Isso aconteceu há 20 anos atrás, quando esse tipo de caso era mais delicado e as escolhas mais restritas.
Recentemente uma amiga teve o namoro interrompido sem que o namorado lhe desse uma justificativa plausível. Ela recebeu assistência mediúnica, em que a médium lhe disse que o rapaz estava com uma “macumba na cabeça”. Uma garota de seu passado, que ainda gostava dele, fizera o tal trabalho e o renovava de tempos em tempos, para que ele estivesse sempre confuso e não firmasse com ninguém. O plano dela é o de que, um dia, no futuro, ela volte para a vida dele e “o salve”. A médium lhe descreveu a garota, disse como se conheceram; de onde ela era, onde estava e que atualmente namorava outro, mantendo a “amizade” com o garoto dela. Dois dias depois, uma garota com as mesmas características, amiga em comum de seu ex-namorado a adicionou sem nenhuma razão em uma rede social. Quando ela perguntou à garota porque a havia adicionado, já que não se conheciam, esta disse que a rede social devia estar com pane, pois ela não havia adicionado ninguém. Cara de pau? Não. Coincidência.
E o que dizer daquelas certezas que sentimos no fundo da alma? “Eu sei que ele está pensando em mim agora”, “Eu sinto que vai dar certo”, “Eu já sabia que era pra mim”, “algo me disse que ia acontecer uma desgraça”... Nossa alma sabe. Nosso inconsciente percebe coisas muito antes que nos apercebamos delas conscientemente. Não somos só matéria e as ligações mais fortes vão muito além desta. É isso que muitas vezes nos dá aquelas estranhas certezas, aquela inexplicável confiança para fazer algo mesmo sem saber bem por quê. Algo mais poderoso na vida sabe. Seja Deus, o Cosmos, destino ou o que for. Steve Jobs disse:

Você precisa crer que de alguma forma os pontos ligam você ao futuro. Você precisa confiar em algo, seja Deus, destino, a vida ou karma, não importa, pois acreditar que os pontos se ligarão estrada afora te dará a confiança para seguir seu coração mesmo que ele te leve longe do caminho esperado e isso fará toda a diferença.

Por outro lado, também não acredito que as coisas foram apenas como tinham de ser. Acho que sempre poderiam ser diferentes – os caminhos são inúmeros, você pode pegar o mais longo, o mais fácil, o mais tortuoso, um atalho. Entretanto, quem garante que os resultados não seriam exatamente os mesmos lá na frente? Os fatos vêm para que tiremos uma lição deles. O problema é que por vezes nos apegamos e não os deixamos ir, ficando presos muito tempo em algo que não muda. E não muda porque não é o tempo certo. Claro que há um momento certo! Experimente tirar do pé algumas frutas verdes para ver se não vão pegar na sua boca. Quando a fruta está madura, todavia, o sabor é bom e a digestão suave. Frutas machucadas também amadurecem mais rápido, mas isso não quer dizer fora do tempo. Forçar algo que não tem que acontecer (pelo menos agora) não vai fazer com que aconteça. Tudo está no seu lugar, há uma estranha certeza que nos leva a seguir em frente sempre. Mesmo que o chão se abra e o mundo desabe. É como se a gente já soubesse...
A vida tem seus mistérios, mas há coisas que são certas. Quem planta, colhe; toda ação tem reação; tudo é semente. Nessa exato momento, estamos jogando pensamentos e desejos no universo que nos retornarão em forma de fatos, pessoas, situações. Em algum nível, tudo faz sentido e aquela famosa e velha frase “O que tiver de ser, será” tem sua razão de ser... E nada disso implica em não escolhermos. Estamos constantemente no controle de nossas vidas, mesmo daquelas coisas que aparentemente não temos controle algum. Mas, forçar a barra ou o destino não vai fazer as coisas serem como queiramos. Será que a garota que faz magia pro cara vai ficar com ele no final? Ilusão dela pensar que é mais poderosa que a vida! Pode ser acaso, coincidência, sincronicidade, destino ou nada disso. Não sei. O que sei é que se observarmos atentamente, nada nessa vida fica sem resposta. Mais dia, menos dia os pontos sempre se ligam, em um quebra-cabeças fantástico que nos faz ficar ainda mais fascinados em viver. E será isso coincidência? Pode ser. Ou não...

0 comentários :

Postar um comentário