About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Você me ama. Ama mesmo?



Eu desconfiaria seriamente de alguém com quem começasse a me relacionar e dissesse que me ama no primeiro mês. E no segundo. Porque amar, amar mesmo, não é assim. Amar mesmo é meio raro, até...
Eu não sei. As pessoas sentem aquele frio na barriga, aquelas borboletas malucas esvoaçando o estômago; sentem aquele frescor de juventude, mesmo que tenham 60 anos. Sentem o suor frio ao pegar na mão, o bater acelerado do peito apenas ao ver, e dizem que isso é amar. “Amor, eu te amo”. Ah, bem, acho que você não me ama. Você está apenas apaixonado por mim. Veja bem, ontem eu não existia pra você. Era só mais uma. Podia passar ao seu lado se batendo na rua e tudo que aconteceria era você ficar bravo. Pois bem, agora você me ama. Não se imagina mais existindo sem mim e minha presença é o seu eixo na Terra. Oh, o amor... Amor mesmo vem da convivência. Você atura manhas e manias e maus humores da pessoa. Você a acha bonita mesmo fazendo careta. Você deixa ela te abraçar mesmo quando quer ficar sozinho. Às vezes, um beijo mais bonito é um beijo na testa.
Todo mundo só quer romance. Pseudo-romances. Oba-oba, beijos e abraços, status, dizer que está namorando. Todo mundo quer pensar em alguém e sentir uma alegria incontida, acomodar pernas abertas no colo, e não uma cabeça e um coração. Ou, sei lá, quem sabe a errada sou eu. Mas, não concebo esse te amo rápido, esse te amo de farmácia, de padaria, esse te amo instantâneo. Não concebo esse te amo de um dia pro outro, de uma hora pra outra, do nada, do agora. Esse te amo hoje e amanhã nem te conheço. Não digiro esse te amo miojo, breve e sem sabor; esse te amo político, cheio de promessas que não poderá cumprir. Não sei, amo muito poucos na vida. Acho que o amor se confirma no dia-a-dia, na louça pra lavar, no fim do dia cansado, na conchinha em dia frio. Acho que o te amo se proclama em silêncio, sem palavras, em sussurros gritados, quietinho dentro da gente. Acho que te amo não se precisa dizer, mas é importante que se diga, mas somente quando é necessário. Uma vez eu notava o constrangimento das pessoas para dizer “te amo” no telefone, agora eu vejo que isso virou tchau. Aqui mesmo do meu lado, vejo colegas falando ao telefone, dizendo te amo como despedida; um te amo sem sal, sem sentimento, nem forçado é mais...
Diga “eu te amo” ao pai, à mãe, ao irmão. Diga “eu te amo” a quem merece ouvir, a quem ama mesmo. Mas, se você não sabe quem ama mesmo; se vai amar hoje e amanhã nem te ligo... não diga. Poupe uma mentira no mundo. Poupe a ilusão de alguém.
Eu já não sei quem amo mais. Já tive certeza que amava, hoje não sei de mais nada... Sei quem sempre trarei no coração; sei quem, mesmo com desavenças, eu busco levar e compreender; sei quem merece minha gratidão, mas gratidão também não é amor. Nem apego é amor, nem amizade, nem paixão. Te amo não é mais o que já foi, como tudo em nossos dias, que banaliza, vira moda, cai na boca do povo, vira balela. Nem “bom dia” não vejo darem tanto.
Não sei se um dia o te amo vai recuperar seu sentido original. Mas, sei que para alguns, ele nunca se perdeu. Não importa. Eu apenas desconfio seriamente de quem diz te amo. Diz te amo sem nunca ter visto a pessoa exausta. Diz te amo para quem está sempre de chapinha. Te amo com carro do ano, com cartão de crédito. Te amo no facebook, no twitter. De quem publica, de quem proclama aos quatro ventos. E desconfio também que poucos se importem com isso. Vira página virada como cada folha da revista de fofocas, como cada pseudo-relacionamento de balada. Te amo pra te levar pra cama. Te amo não importa mais. Te amo virou Não te amo.

3 comentários :

Anônimo disse...

Você está certíssima, Kelly. "Te amo" virou bom dia, só mais uma, talvez, interjeição no dia a dia. Acho importante guardamos o verdadeiro amor dentro de nós; mesmo sabendo que alguns vão encara como um simples bom dia, exclamar "eu te amo" é profundo para nós dois, está além dos olhos humanos; está lá no fundo.

E como dizia Platão no Banquete, Eros(amor) é concebido como produtor de asas. Tocados por Eros, pairamos. As asas de Eros não cansam, não esbarram.

Anônimo disse...

Descobri seu blog há uns 20 minutos e já tá nos Meus Favoritos. Li seu texto ( O que ha'de errado em ser virgem?), me identifiquei muito, me ajudou demais. Agora li esse outro.. vc falou tudo!! AMEI! rsrs... vc escreve o que a gente precisa. Vou devorar seu blog como se fosse um livro. Parabéns! ;)

Kelly Phoenix disse...

=D
Eu também escrevo livros... Espero que um dia eles proporcionem o mesmo prazer que vc está tendo ao ler meu blog. Volte sempre, querida ;)

Postar um comentário