About my Blog

Reflexões, citações, crônicas e extrações sobre filosofia, literatura, espiritualidade, emoções, percepções e sentimentos, e um plus para tudo o que vier na mente.

sábado, 23 de junho de 2012

Você ainda vai ser muito feliz



Vai a Nova Iorque, ao Japão.
Vai pisar folhas secas no Central Park, com um sorriso de paz no rosto.
Vai escrever seu nome na neve e na areia de uma praia que sempre quis visitar.
Vai tirar fotos com uma expressão enigmática no rosto, pois fotografias não podem retratar a real felicidade.
Vai virar a noite em um cassino em Las Vegas.
Vai receber café na cama de alguém que te ama e que você ama muito.
Vai discernir entre o amor virtuoso e aquele egoísta, que prende o ser amado junto a si.
Vai entrar na concessionária e sair com o carro dos sonhos.
Vai ouvir “ma-mã” de um bebê com seus olhos.
Vai simplesmente sorrir, sem motivo algum, pela felicidade de ser quem é.
Vai ouvir aquilo que sempre quis ouvir, dizer aquilo que sempre quis dizer...
Vai observar Paris inteira por sobre a Torre Eiffel e lembrar de todas as vezes que temeu que isso nunca acontecesse.
Vai conhecer pessoas incríveis, rir com elas. Vai amar e se sentir feliz apenas pela nobreza de poder senti-lo, sem o egoísmo de querer o objeto de adoração consigo...
Vai segurar na mão de alguém que ama e se despedir com paz.
Vai olhar para o céu e agradecer intimamente por cada mau bocado que passou. Vai lembrar que cada um deles constituiu o que é, o que sente; que muitas de suas virtudes vieram de suas dores.
Vai olhar nos olhos de alguém que lhe magoou muito e perdoar essa pessoa.
Vai sentir-se perdoado por alguém que magoou.
Vai andar de pés descalços e sentir que cada pedra que pisou fortaleceu os seus pés.
Vai sentir o vento em seus cabelos e concluir que a liberdade não é ter nem estar, apenas ser.
E quando estiver velhinho e sem dentes, em uma pescaria, vai olhar para trás... Vai recordar de cada lágrima, de cada sorriso, de cada momento terno ou doloroso, de cada mágoa e de cada bem querer... E vai sorrir – sem dentes e com os olhos – ao ver que até a dor valeu a pena.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

A justiça dos homens e a Justiça de Deus



Não são poucos os homens que, iludidos em suas ambições e paixões mundanas, passam por cima da felicidade alheia, achando que nada os poderá deter e que, com nada, se confrontarão. Fazem tudo para alcançar o que desejam, sem se importarem com quantas criaturas precisam “tirar do caminho”, de acordo com seus interesses e a seu bel prazer. O que estes seres não sabem ou fingem ignorar é que, acima de seus desígnios mesquinhos e as iniquidades que, por vezes, estão ocultas aos olhos terrenos, há um tribunal de justiça incorruptível, que legisla acima das nossas frontes e para o qual não há processos obscuros, nem informações inexatas. A justiça humana é apenas isso: humana. Mas, a divina é perfeita e jamais falha.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

As nossas escolhas



Refletindo sobre algumas coisas, parei pra pensar quantas de nossas escolhas são conscientes. Quantas, tomadas em um momento de impulso ou emoção comprometem nossas vidas para sempre... Quantas, dia a dia, entrelaçam e desentrelaçam destinos... Quantas, não suficientemente refletidas, ferem e interferem de maneira decisiva na vida de outros... Quantas as que trouxeram arrependimentos e profundos dissabores... Quantas, egoístas e mesquinhas, acabaram por fazer mal a nós próprios... E de quantas, tomadas recentemente, ainda não temos nem noção do que vão nos trazer... Quantas, acaloradas, nesse momento fazem chorar alguém que amamos de verdade, e nem percebemos... Quantas excluíram boas pessoas de nossas vidas e adicionaram outras não tão boas, mas que não tivemos condições de ver...
Somos senhores de nossas escolhas. Conscientes ou inconscientes, generosas ou egoístas, felizes ou infelizes, as de ontem são a origem de todos os resultados que colhemos hoje, e as de hoje, são a felicidade ou a dor de amanhã.
Nossa vida é feita de escolhas. Cada escolha é uma renúncia. É certo que nem sempre fazemos a escolha mais sábia. Mas, sem dúvida, fazemos a escolha certa. Certa de acordo com quem somos naquele momento, o no que acreditamos e vemos. Que possamos ter a mesma força na hora de perceber que essa escolha não foi tão boa assim, pois por vezes, o real discernimento – tempos depois – vem acompanhado da dor, para que o aprendizado nos faça escolher com mais sapiência na próxima oportunidade...

terça-feira, 12 de junho de 2012

O fim não é o fim



Do mundo. A bem da verdade, o fim é um começo...

***
Todo fim de relacionamento é difícil, especialmente se a outra pessoa entrou com o pé e você com a bunda. Ei, relaxa, não é gozação! Também estou passando por isso. E é assim mesmo. Ao cabo de três dias, você já perdeu 2 kg, não vê ânimo em sair da cama e cada torpedo da operadora é uma tortura. Vocês tinham um sonho tão bonito juntos, por que teve que terminar?
Escrevo esse texto em momento semelhante, onde tento reorganizar minha vida e objetivos, e por isso, se você está saindo de um relacionamento agora, vai se identificar com a maioria das coisas que eu escrevo aqui. E, embora tenha escolhido o dia dos namorados para publicá-lo (onde supostamente eu estarei bem e totalmente esquecida do idiota que me fez chorar, a não ser pela leitura desse texto), vale lembrar que no exato momento destas linhas, eu estava aí que nem você: triste, sem ânimo para nada, com aquela insistente cara de bunda e uma vã esperança de que haverá volta, convencida de que não posso refazer minha vida sem um traste. Então, vamos a tudo que o caso infere...


1-      O fim é um começo

Todo fim sempre é um começo. Seja o fim de um curso, de uma amizade, de uma viagem longa, de qualquer coisa. Logo, o fim de um namoro também aponta que você já está preparado pra recomeçar. Como assim?, você diz. É, eu sei, é difícil mesmo. Independente de seu relacionamento ter durado um mês ou bons anos, fica no mínimo um carinho, se houve consideração pelas partes (não malicie). Não tem quem negue que a coisa mais dolorida nessas horas é a pessoa parecer imensamente feliz sem você (fazem de propósito!!!), terminarem na quarta e ele já vai pra festinha na quinta... Mas, isso tem que servir como um impulso para que você levante desta cama, largue esse notebook, pare de fuçar as redes sociais dele e vá viver um pouquinho (nem que seja escrever um texto pro blog!).
Não estou dizendo que é fácil, pois não é mesmo, mas é o que tem de fazer. Porque mesmo que vocês voltem lá na frente, o amor por você mesmo (a) tem que prevalecer.


2-      As redes sociais

Isso é complicado, quase triste, mas não vamos ser hipócritas. Sim, você tem que deletá-lo (a) de tudo, talvez salve o MSN, onde não precisa ficar disponível para ele (a) – e se ficar, vai ser bem doloroso que ele (a) não te chame. Continuar amigo no facebook vai te colocar muito mais pra baixo quando vir que no final de semana seguinte ao término ele foi acampar com o pessoal da faculdade, bateu milhões de fotos felizes e provavelmente sequer lembrou de você! Eventualmente, você vai ver recados que vão te deixar mal, comentários em fotos e quiçá um novo (a) namorado (a) e vai ficar pior por isso. Então, eu digo: olha, o melhor é você apertar delete sem pena, se se sentir melhor, mande um recadinho avisando e talvez, um dia, quando você já estiver bem, vocês possam ser amigos mesmo. Mas, agora não! É hora de cuidar de você, dos seus projetos. É hora de refazer aqueles planos em que ele (a) aparecia. É hora de deixar a internet e ver o sol, sair! Ficar olhando a página dele (a) no facebook vai aumentar sua dor.


3-      O efeito “bumerangue”

Existem aqueles casos – talvez seja o seu – em que esse não é o primeiro término e não vai ser o último com a mesma pessoa. Você tá aí largada, de pijama no sofá, o computador em uma mão e um pote de pipoca com leite condensado na outra porque já passou por isso antes e tá só contando os minutos para o telefone tocar e você correr para os braços dele. Agora eu te pergunto: será que vale a pena?
Se a relação terminou, é que ao menos uma das partes não estava satisfeita. Se não tava satisfeita e volta, os mesmos problemas tendem a se repetir. Indo e voltando, indo e voltando, será que as coisas estão melhorando ou cada vez está jogando uma nova oportunidade de ser feliz fora? Se a coisa a toda hora desanda, não será o comodismo ou a conveniência que os fazem voltar? Reflita bem se quer continuar nesse jogo. Aqui também se enquadram os estepes, os lanchinhos e os “sempre disponíveis”. Qualquer dos casos, é falta de amor próprio. Se acha que não merece nada melhor, siga em frente. Mas, se só tá faltando um empurrãozinho, coragem: aproveite esse término, sofra tudo que tem pra sofrer e dê a volta por cima. Tem muita gente legal lá fora pra ficar aí se lamuriando...


4-      Amor? Não! APEGO.

Vamos combinar, amor é outra coisa. “É benigno, não é invejoso...”. O amor só faz a gente se sentir bem. O que você sente é apego. Apego, carinho, respeito pelo tempo que estiveram juntos, tristeza pela intimidade perdida, saudade, infelicidade pelo fim dos planos. Perceba que a maior parte do seu sofrimento é por você mesmo (a), não pela outra pessoa. Você sofre porque sente falta dele (a). Você sofre porque pra você ainda não tinha terminado. Mas, agora, vai dizer que você se regozija se o outro aparecer felicíssimo aí, na sua frente? Seja sincero (a), vai. Não é tão fácil assim. A felicidade dele (a) agora te atinge. Você não pode entender como alguém pode estar feliz fazendo outro sofrer tanto assim. E, se a felicidade dele (a) não te deixa feliz, logo, não era amor. (Excluam-se aqui aquelas felicidades falsas, que a pessoa fica fingindo só pra te provocar).
Minha amiga, essa saudade doída que você chama de amor, na verdade tem o nome de apego. Apego ao sorriso dele, àquela pegada que só ele tinha, à rotina estabelecida. Você acostuma. E de vez em quando, é claro que a saudade vai vir te visitar. Encare isso como uma coisa boa. Você tem esses momentos para lembrar. E, acredite: um dia vai lembrar deles sem essas lágrimas aí, sem a vontade de quero-mais, apenas com uma suave nostalgia... Porque é o que fica dos relacionamentos. Quando começa, a gente já sabe que um dia terá fim. A gente só não quer que esse dia chegue...


5-      Uma coisa boa vai para vir outra melhor

Agora é a hora de lembrar de todos os defeitos dele (a). Que história é essa de ficá-lo (a) endeusando como se nesse planeta de 7 bilhões de pessoas não existisse ninguém mais interessante?
Lembre que ele fumava (de 5 em 5 dias? Ah, vá...!) e que você achava tão chato ele ser tão pão-duro. Lembre que ela tinha o pescoço engraçado e os pés meio grandes demais. Lembra que às vezes você ficava entre perdida e irritada com os silêncios dele, e que os dentes dela eram tortinhos embaixo. Ei, pare de se sabotar, não era charme coisa nenhuma!! Você tem que REALMENTE acreditar que existe algo melhor pra você lá fora! Porque existe. Você só tem que se colocar em posição de encontrar.


6-      Não é bom ter esperança

Mas, você vai ouvir o contrário. Vão te dizer que a esperança é uma coisa boa e que é a última que morre e blá blá blá. Sim, ela é uma coisa boa. Mas não no seu caso. Já se passaram 10 dias e ele não te procurou, sequer para mandar um torpedo e saber se estava bem. E fez isso justamente pra não te dar esperanças. Quando alguém gosta de você, não deixa uma briga ir tão longe, reavalia os sentimentos, decide o que quer, mete a cara e tenta ser feliz. E correr atrás é pior ainda. Além do sentimento de desvalorização que transmite ao outro, coloque-se no lugar dele (a): ninguém quer alguém que rasteje aos seus pés o tempo inteiro. O que atrai são pessoas independentes, seguras de si, que estão no seu melhor. Não posso amar alguém que não se ama, logo essa pessoa vai ficar dependente de mim e desgraçar com a minha vida e a dela. O negócio é seguir em frente, e se a esperança existir, mantenha acesa, mas não alimente. Dias melhores virão (com ou sem ele/ela).


7-      Boas lembranças

Apenas isso. Não exclua as fotos do seu HD, mas do facebook, sim. Jogue fora as conversas de MSN, os torpedos, apague o número dele (a) da agenda. Parece doloroso, mas é um caminho rápido para o progresso. Se tem presentes, eu aconselharia a não se desfazer deles, mas tirá-los temporariamente de vista. Se há amigos em comum, mantenha contato, mas deixe claro para eles que por uns tempos vai te fazer mal saber do (a) ex ou se encontrar com ele (a). Depois desse relacionamento haverá outro, e depois provavelmente mais outro e tudo que vai ficar são as boas lembranças, as coisas boas que se proporcionaram. A vida é efêmera e não vale a pena perder muito tempo sofrendo por alguém que escolheu tirar você da vida dele (a).


8-      Pessoas para namorar

Um pouco de toda essa dor também parte do medo de ficar sozinho (a). Não para um fica de uma noite ou sexo casual, mas sozinho de sozinho. Você se pergunta: Poxa, construímos uma coisa tão legal juntos, agora eu vou ter que começar tudo do zero com outro alguém? Por que não passar por cima das diferenças e tentar de novo? Quantas coisas boas a gente perde na vida simplesmente pelo medo de TENTAR?
É, amigo. A gente sabe que não é assim, que não é chutar uma pedra para sair debaixo uma pessoa legal pra namorar. As pessoas pensam e dizem que querem namorar, mas aí está no conceito de namoro de cada um. Tem gente que busca um compromisso pensando em se casar, em ter uma coisa bacana a dois, que se engrenar vai pra frente. Tem gente que quer “namorar” pra transar, pra ter sexo fixo e free e alguns momentos love de pegação. Mas, a maioria das pessoas que diz querer namorar não implica nas variáveis de um relacionamento e já começa procurando seu/ sua suposto (a) futuro (a) namorado (a) na balada, onde a maior parte da galera vai só pra buscar curtição mesmo, periguetear. E a maior parte das pessoas que dizem querer namorar esquece também que namoro tem partes boas e ruins, como tudo na vida, e que é importante ser flexível para se ajustar à outra pessoa. Em parte, seu medo é justificado, mas em parte, você precisa apenas descobrir os prazeres de ficar sozinho e de passar mais tempo com os amigos e outras pessoas de sua convivência. Você fica aí sofrendo por alguém que não te quis e seu avô tá no hospital com câncer no fígado. É, moleque, vamos se ligar! Não encuca com nada, vai aparecer alguém legal de novo... Só não fique vivendo em função disso.


9-      Reconquista

Se depois de sofrer um bocado, você acredita ou percebe que ainda tem chances com seu ex, vai ignorar tudo o que eu escrevi até agora e tentar partir pra reconquista. Eu passei alguns dias pra me convencer que isso não é uma boa ideia. Em primeiro lugar, porque se você voltar que nem um cachorrinho, a outra pessoa simplesmente vai te ter nas mãos. E depois, deixando o orgulho de lado, antes de reatar um namoro é necessário um balanço bem feito de ambas as partes para ajustar o que não tava dando certo no namoro. Reconquistar uma pessoa tem a facilidade de saber o que a agrada, aliada à dificuldade de ela conhecer cada defeitinho seu. Medite se essa empreitada vai valer a pena. Se houver sentimento e desejo de ambos os lados, a volta se torna inevitável, mais dia menos dia. A não ser que os dois ou um deles seja extremamente bicudo e orgulhoso! Mas, agora, se só uma parte tem o desejo de voltar, é melhor desencanar. Há outros peixes (bem saborosos!) no mar. Não deixe que alguém fique com você por pena. Não fique com alguém por pena. É enganar a si mesmo e ao outro.


10-  A nova pessoa do/da ex

Agora é a prova de fogo. Ele ou ela já está com um novo alguém, antes de você. Ei, dá uma segurada aí antes de se comparar! Pare com isso de “o que será que ele/ela tem que eu não tenho?”; “a fila andou” e o escambau. A pessoa que esteve com você tem o direito de tentar ser feliz, e se essa nova pessoa é a sua aposta, votos para eles. Não fique comparando o quão mais alto ele é que você, ou o quanto o corpo dela é bonito ou ainda se perguntando onde ela achou aquele bicho feio. É a vida dele (a), e mesmo triste/magoado/infeliz, você não tem nada mais que ver. É uma escolha, ele (a) tem livre-arbítrio. Se você se vê em vantagem ou desvantagem em relação à nova pessoa, tome isso para se melhorar ainda mais, para procurar alguém mais adequado pra você... Só não vá se jogar no primeiro relacionamento que aparecer, não é uma competição! O que vai valer de verdade é estar feliz, não adianta nada passar com uma top model na frente dela! Há pessoas inseguras que vivem se jogando de um relacionamento a outro e não se permitem nem conhecer a si mesmas! E não se esqueça: cada um tem o namorado/ namorada que merece.


11-  O futuro do/da ex

Hora de dar risada, isso já aconteceu com você. Quantas vezes você já viu aquele gatinho que na época da escola arrastava um bonde por ele e... ficou surpresa? Sim, surpresa. Você se pega rindo sozinha e diz:
- Credo... eu chorei... por isso?
Você o observa empurrar o carrinho no supermercado com suas pernocas gorduchas e o colo cheio de cerveja. Os cabelos estão falhos, a barriga triplicou de tamanho e você intimamente se pergunta o que aconteceu com aquele abdômen tanquinho tantas vezes desejado. O contrário também pode acontecer. Quando você deixou aquela gordinha espinhenta da sua namorada você nunca diria que aquele mulherão de sorriso perfeito na sua frente já esteve nos seus braços um dia (só nos devaneios seus). E, provavelmente se estivesse com você, ela nunca tivesse tomado o impulso necessário para se transformar nesse mulherão, vamos ser realistas.
Você chora e sofre pelo (a) seu ex agora porque ele (a) é uma gracinha e é difícil imaginar aquela perdição em outros braços. Mas, tenha um pouco de visão, pense no futuro. Daqui 10 anos muita coisa terá mudado e você o encontrará gordinho com uma mulher mandona do lado e um barrigudinho ranhento no colo. Pode ser que também seja o contrário, e o encontre feliz, lindo e bem amado... Independente do que for, erga a cabeça e seja feliz. Pela enésima vez: FOI UMA ESCOLHA. E escolhas são assim mesmo, às vezes a gente se arrepende, às vezes acerta, nem podemos condenar se foi feita de coração. Como você pode saber se ele/ ela não se arrependeu mil vezes depois disso? Somos todos obrigados a conviver com nossas escolhas e temos de respeitar as escolhas alheias. Desencane e vá curtir VOCÊ, que é a única pessoa que estará contigo do começo ao fim.


12-  O título de “namorado (a)”

River Phoenix dizia que não sabia lidar bem com a palavra namorado e namorada e eu concordo com ele. É um título de relacionamento que hoje em dia confere muito mais status que um estado pessoal. Desde o dia em que estava “namorando” há já um mês e mudei o status do facebook, terminando o namoro no dia seguinte, nunca mais dividi com ninguém minha vida sentimental. Você pode não ter a intenção de estar se exibindo, mas todo mundo vai ficar cuidando, bisbilhotando e, inclusive, azarando... E outra, há “rolos”, “lances”, “ficadas” muito mais intensas, profundas e menos mornas que o que chamam de “namoro” (por mais criativo que você seja). São títulos, assim como primeiro, atual e ex. Então, apenas viva, não importa o nome que tenha. Não fique dando razões para sentirem inveja de você, porque a felicidade deve ser gritada baixo. A inveja tem sono leve. E outra: quando conhecer alguém, não fique exigindo essa definição... O que é real, temos a definição pra gente, não precisamos ficar perguntando ou cobrando do outro. O importante é viver!


13-  O tempo não cura nada

Dizem que o tempo cura tudo, mas na verdade, ele não cura nada. Tudo o que o tempo faz é tirar as coisas do foco, trazendo novos fatos e situações pra sua vida e desligando-o um pouco dos antigos. Mas nada pode acontecer sem o seu esforço.
Fugir da dor também não vai adiantar, pois sempre haverá outra que pode até ser menor, mas vai acumular com essa e explodir lá na frente. Não fuja da dor, mas não ache que o tempo é o remédio. Você vai ter que se ajudar para, mais adiante, ver a situação atual como uma coisa positiva.


14-  Status: ME amando

Te espera aquele curso que você deixou pra lá. Te espera aquele gatinho que sempre te chama pra sair. Te espera aquela viagem que você sempre quis fazer e ela não. Te esperam aqueles amigos loucos que estiveram sempre lá por você e você se afastou. Te espera aquele novo corte de cabelo, aquela roupa da vitrine. Te espera a felicidade, porque a vida é muito curta e só vale a pena sofrer para aprender a fazer diferente =D


15-  Sempre tem um fim

Tive um rolinho em 2009, que foi mais uma amizade colorida, e por isso, tínhamos inúmeras conversas. Há algo que ele me disse que ficou marcado até hoje e é uma máxima em questão de relacionamentos. Mais ou menos assim:
“O que eu não gosto em ficar ou namorar é que depois as pessoas nem se olham na cara. Elas têm um momento, uma coisa tão legal juntas, dali a pouco termina, cada um vai pro seu lado e sequer se cumprimentam. Isso é uma coisa que eu não gosto, e confesso, não sei lidar”.
Isso também é uma coisa que eu não gosto e não sei lidar. Pra ser bem sincera, eu não acredito em amizade com ex. Eu acho que ainda há interesse em pelo menos uma das partes. Pode até rolar aquele lance de confidências, de pensar que o outro seguiu em frente porque a fila tá andando, mas será que por dentro são os dois que estão zen? Um lado eu tenho certeza que está, mas quanto aos dois, nada é seguro... Um lado sempre sai mais magoado, se sentindo mais prejudicado, mais triste com o término e, por vezes, algumas coisas ficam sem esclarecimento mesmo... Mas, se cada um precisa ir para um lado, ao menos por agora, ACEITE, ABENÇOE, AGRADEÇA... Às vezes, nossas escolhas são tolhidas, a vida ou alguém nos impõe uma escolha e ficar brigando com isso só vai trazer mais dor e sofrimento. Lembre que o outro, assim como você, merece ser feliz e a percepção dele (a) de felicidade no momento não é junto com você. Não deixe de viver bons momentos ao lado das pessoas, não deixe de se envolver por medo de se machucar, não crie ódio mortal pelo (a) ex e não fique procurando um culpado, a vida é assim mesmo. Daqui a pouco aparece outro alguém que vai te engasgar de borboletas no estômago; daqui a pouco você descobre o quanto é bom e gostoso ficar um pouco sozinho (a)... Tudo é bom. Só é preciso respeitar a si mesmo. Respeite sua dor, respeite seu momento, chore, lamente, coma chocolate, sofra. Vai passar. Você leu? VAI PASSAR. E, quando passar, pegue a melhor roupa e venha pra roda. Tem muita gente bacana que só tava esperando mesmo por você...


Texto escrito em 02/04/2012.